2 de dezembro de 2018

Varekai



Onde quer que seja
Tenha a certeza de si
Seja qual for o motivo
Destine-se
Mesmo que se perder
Seja o seu caminho
Onde poucos se arriscam
Largar a sombra das árvores
Correr o risco dos rios...



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

16 de novembro de 2018

Deixa chover




Deixar chover...

Deixar o vento soprar
E o gelo voltar a se formar...

Deixar chover...

Sem esperança de colher
E sem medo de apodrecer...

Apenas deixar chover...



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

2 de novembro de 2018

Folha seca




E as vozes na minha mente se calaram,
O silêncio reina entre as rachaduras, por fim...
Que assim, dormentes, os devaneios permaneçam.

É nessa quietude que eu queria me encontrar?
Que vazio é esse que ainda insiste em me machucar?
Eu sou aquela criatura que nasceu para caçar?

Procuro perguntas a cada resposta, busco demônios em meus anjos...

Afinal, poeta de coração silencioso, morre folha seca sem palavras.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

12 de outubro de 2018

Coisas estranhas




Os meus defeitos
Eu preencho com poesia
Quando a poesia não dá jeito
Coisas estranhas estão acontecendo

O feito ainda pode ser desfeito
A foto é mera cortesia
Do momento imperfeito
E mesmo sem jeito continuo escrevendo



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

19 de setembro de 2018

Das certezas vãs




Através das xícaras
de café pela manhã,
ou das canecas
de chá a tarde,
mais certezas vão se tecendo,
distorcendo realidade e
cortando fatos em tiras...

O gosto amargo já foi doce,
o traço torto permanece,
e a certeza de agora
amanhã desvanece.




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

26 de agosto de 2018

Envelhecida




Conselhos silenciosos descansam na nevoa
Olhos distantes em órbitas latentes
Nada pode tocá-lo
Somente eu...

Tato desvirtuado por
Anos de solidão
Nenhuma prece foi dita...

Tamanha seja a dor que
Inquieta a alma restante...

Naveguei por teu sangue todo esse tempo
Envelhecida como vinho pronto para beber...




Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]

3 de agosto de 2018

Insensatez

PARA ISABELLA FERNADES...



O bordô nos lábios
De invejar os vinhos tintos...
Quais desejos te despertam?

Com um toque de insensatez
Em cada linha tortuosa
Mal se nota a sua timidez

És branca de neve
De veludo negro e couro...
Quantos segredos detêm?

Com uma ponta de dor
Em cada sutil dobra
Bem se sabe do seu coração abrasador



Francielly Caroba
[Direitos autorais reservados lei 9.610 de 19/02/98]